TEOTERAPIA
Um lugar para pensar sem sentimento de culpa


Inicio


Acerca de
Suscríbete al blog

Categorías
Main [1] Sindicar categoría
Biblioteca [3] Sindicar categoría
Downloads [1] Sindicar categoría
Educação [1] Sindicar categoría
Espiritualidade [2] Sindicar categoría
Humor [2] Sindicar categoría
Informática [1] Sindicar categoría
Lider Sec. XXI [3] Sindicar categoría
Links [1] Sindicar categoría
Livros [2] Sindicar categoría
Pessoal [1] Sindicar categoría
Sermões [4] Sindicar categoría
Teologia [6] Sindicar categoría

Archivos
November 2006 [4]
October 2006 [12]
September 2006 [12]

Sindicación (RSS)
Artículos
Comentarios

 


October 2006


Saudades


Eu queria voltar a ser criança, do tempo em que:
Atentado, era um menino travesso.
Droga, era o remédio comprado na farmácia.
Craque, era um exímio jogador de futebol.
Sexo, era masculino ou feminino.
Stress, era coisa de americano.
Depressão, era coisa de panela.
Tráfico, fora abolido pela lei Áurea.
Separação, só de bate boca e brigas na rua.
 
Matar, só se fosse de fome, sede, saudade, ou raiva.
Bomba, era o que acontecia com quem perdia o ano  letivo.
Arma, era coisa de polícia.
Assalto, era a pergunta que a mulher fazia quando ia  comprar tamanco.
Violência, era só nos filmes de cowboy.
Desemprego, era o número de empregos que se tinha  disponível.
Concorrência, só havia entre garotos, disputando o amor da mesma menina.

Corrupção, era um vulcão ativo
Mendigo, era o vagabundo, não o trabalhador.
Salário, era sinônimo de sustento, não de pobreza,  miséria ou fome.
Ser honesto, não era ser careta e cafona.
Índio, era o dono das terras, não pobre marionete da  FUNAI.
Computador, era um malandro desbocado, falando das  suas dores.
Miserável, era um sujeito muito pão duro, não a  população do meu país.
Imposto, meu pai só ia para abastecer o fusquinha.
Havia diferença entre direita e esquerda, polícia e  ladrão.
 
Será que os tempos mudaram, ou foi eu quem mudei?
Quem sabe tudo isto já havia, mas como era inocente,  não percebia.
Quem sabe nada mudou, a não ser no meu interior?
Será o mundo, ou só o meu mundo que precisa mudar?
Pensei que me tornando adulto teria todas as respostas.
Hoje estou mais confuso do que quando era criança.
 
Pelo sim, pelo não; não posso viver saudosista.
Preso a um tempo que não volta mais.
O futuro se descortina, esta certeza me atrai.
Saber que fico, mas o mundo permanece e vai.
As lembranças vão se apagar.
Quem sabe o que aprendi possa me modificar?

Os meus pais construíram o passado, do qual estou a  relembrar.
O presente eu construi, estou começando a me  decepcionar.
Mas reconheço que nunca é tarde para recomeçar,
reconstruir um novo mundo, onde os meus filhos  possam habitar.
E, como hoje faço, no futuro venham a se orgulhar,
do passado que herdaram, e precisam preservar,
corroborando a prudência do sábio pensar:
"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo  começo,
qualquer um pode co
meçar agora e fazer um novo fim."
(recebido na lista de discussão batistas-brasileiros)

Por José Miguel - October 19th, 2006, 19:03, Categoría: Humor
Enlace Permanente | Comentar | Referencias (3)

Artículos anteriores en October 2006




<<   October 2006  >>
SMTWTFS
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31     

Blogues
Batistas
Reforma e Carisma

Sites em Espanhol
Clai
Jovens Batistas Chile
Pergaminhos NT

Sites em Inglês
Biblioteca
Clasicos Cristãos
E-Sword
Judaismo
Religião

Sites Favoritos
* 1a.Batista CG-MS
* Pr. Caio Fábio
* Prazer de Ler
* Ricardo Gondim
* Rubem Alves
* Toca do Estudante
* UMESP-Posgraduação

Sites Gerais
Biblia World
Biblioteca Virtual
Casa do Bruxo
Clipping Jornais Br
Fathel
Folha de Sao Paulo

 

Blog alojado en ZoomBlog.com